O brutalismo nada "brutal"

Nascida de um contexto pós-guerra europeu, período de grandes avanços tecnológicos e industriais em diversos campos e advinda da urgente necessidade de reerguer as cidades europeias com agilidade, a arquitetura brutalista tem seu início em meados do século XX, como uma derivação dos movimentos moderno e minimalista. Essa vertente da 5° arte surge então sendo uma das mais marcantes tendências do panorama arquitetônico moderno, tornando-se um estilo com ênfase nos materiais, nas texturas e na própria construção e suas funções, trazendo o concreto de caixaria aparente ao esplendor do acabamento e produzindo formas altamente expressivas, agregando charme e personalidade aos ambientes cotidianos. E o grande diferencial é que o ponto de partida dessa vertente de fato não são conceitos artísticos ou estéticos especificamente, e sim a necessidade e a função dessas obras, de maneira geral, os prédios pertencentes a essa vertente serão sempre grandes e imponentes, caracterizados principalmente por ângulos e formas geométricas. Entretanto, é válido destacarmos que a arquitetura brutalista também passou a ser aplicada em residências, se valendo dos mesmos preceitos estruturais e conceituais. Assim, foi possível garantir um ar moderno às construções, de tal forma que as casas pareciam ser perfeitamente moldadas, sem deixar sua função principal de lado. Então foi aqui que o concreto se tornou o personagem principal nesse tipo de edificação. E por mais que o nome deste estilo traga essa impressão, o brutalismo não tem nada de “brutal”, muito pelo contrário, trabalhando com materiais mais “simples” e resistentes a aplicação do concreto armado garante características urbanas marcantes, personalidade e sofisticação e é também uma forma de expressão. O brutalismo, como citado, é um movimento reflexo do pós-guerra, e começou a ser utilizado na Europa em 1950 chegando ao Brasil já por volta dos anos de 1970, se popularizando logo em seguida. Aqui, o antigo Museu de Arte Moderna (MAM), do Rio de Janeiro, foi o primeiro projeto a seguir os pressupostos do brutalismo e é até hoje um dos principais exemplares desse estilo, neste momento o grande diferencial foi tratar tais aspectos com elegância, imprimindo novos sentidos às obras. E é neste conceito e presença que a Verite se inspirou para a criação da Coleção Brut, com produtos fabricados de forma semi artesanal e de grandíssima qualidade, transmitindo de forma realista o aspecto do concreto desformado, proporcionando aos nossos clientes o conforto e a possibilidade de ter esse conceito industrial em seu projeto sem a necessidade da produção convencional, com a utilização da caixaria aparente em sua obra, e tudo isso de maneira autêntica!